DEPARTAMENTO DE SAÚDE ESCOLAR

Pediculose (piolho)

A pediculose (presença de piolhos) é um problema relativamente comum em crianças de todos os níveis socioeconômicos, ocorre em todos os países, acometendo inclusive escolares com excelente padrão de higiene. As infestações leves são as mais frequentes e são de difícil diagnóstico. Para reduzir a ocorrência de pediculose é necessário corrigir conceitos errôneos, eliminar preconceitos, identificar os casos e tratar as crianças afetadas.

Transmissão
Como o agente causador não tem capacidade de pular ou voar, a transmissão ocorre pelo contato direto (cabeça a cabeça) ou pelo contato indireto (uso de gorros, bonés, pentes, escovas, presilhas, arcos de cabelo, travesseiro ou toalha de outra pessoa infestada).

Reinfestação (pediculose recorrente)
Algumas pessoas, por motivos ainda desconhecidos, apresentam predisposição para a pediculose, ou seja, facilmente apresentam reinfestação. Além disso, outros fatores podem levar à recorrência do problema:

  • falha no tratamento. Por esse motivo, a cabeça (couro cabeludo) deve ser reinspecionada após o tratamento, para se identificar precocemente essa possibilidade;
  • contato com objetos contaminados (descritos anteriormente). Por esse motivo, é necessário inspecionar e higienizar esses objetos durante e após o tratamento e ficar atento ao uso de pentes e escovas em cabeleireiros;
  • contato persistente com outras crianças ou adolescentes com pediculose. Por esse motivo, é importante que todos os colegas de turma sejam inspecionados diante de um caso de pediculose, conforme a rotina descrita a seguir;
  • contato persistente, no domicílio, com adultos que apresentam infestação leve e que podem não apresentar prurido (coceira) no couro cabeludo. Por esse motivo, os familiares também devem ser inspecionados na busca da fonte do problema.

Rotina do Departamento de Saúde Escolar*
Para reduzir a ocorrência de casos de pediculose com transmissão na escola, o Departamento de Saúde Escolar (DSE) realiza, em algumas Unidades* a triagem de pediculose, que inclui:
  • inspeção rotineira, no início de cada ano letivo, de todos os alunos de Educação Infantil até 4.º ano do Ensino Fundamental – a faixa etária de maior incidência. Assim, todos os possíveis casos de infestação ocorridos no período de férias são identificados, sendo solicitado o seu tratamento. Essa atitude minimiza a ocorrência de novos casos com origem na escola;
  • inspeção de todos os alunos de turmas de Educação Infantil ao Ensino Médio em que seja identificado um caso. Habitualmente, o caso inicial é informado pelos pais do aluno acometido. Essa informação é de extrema valia para o trabalho desenvolvido. O objetivo da triagem não é identificar a fonte do problema, mas permitir que todos os eventuais casos sejam tratados.

É importante realçar que a avaliação realizada pelas profissionais de enfermagem do DSE ocorre de forma individual. Além disso, não se expõe o resultado da avaliação para os alunos, somente a seus pais ou responsável. Como complementação a essa avaliação, solicitamos aos pais que inspecionem seus filhos, com frequência, durante o restante do ano, especialmente se observarem sinais sugestivos de pediculose, como o prurido (coceira) em couro cabeludo. Caso seja detectado o problema, a escola deve ser prontamente comunicada. Ao sermos informados, faremos nova avaliação em todos os alunos da classe, sem expor nomes.
Nos casos de avaliação positiva, pede-se aos pais ou responsável que procurem o pediatra da família para orientar o tratamento.
Em relação à pediculose, esforços individuais de pais ou da escola costumam ser infrutíferos.

Restando dúvidas em relação à importância do procedimento, a coordenação do DSE está à disposição para esclarecimento pelo telefone (41) 2105-4060. A comunicação de casos pode ser feita pelos telefones do DSE de cada unidade, os quais estão listados nas últimas páginas da agenda escolar.

Dr. José Francisco M. Klas – Coordenador do Dep. Saúde Escolar (para contato, clique aqui)
Dr.ª Karin Bertinato Bach – Pediatra – Dep. Saúde Escolar

* Nas Unidades em que não é possível a realização da triagem, ao sermos informados pelos pais ou responsável de um caso de pediculose, os demais pais da turma serão comunicados para fazerem a inspeção de seus filhos em casa, sempre preservando o nome de alunos com o problema.

Comente esta notícia:

Fechar [ x ]






Envie esta notícia para um amigo:

Fechar [ x ]











Unidades: Encontre ao lado a unidade Bom Jesus mais próxima de você: